03/03

Começando com um dos lançamentos mais esperados do mês, o Nintendo Switch! 

E vamos dar uma olhada nos jogos que vão sair juntamente com o novo console da Nintendo no dia 3:

I Am Setsuna

Lançado originalmente no início do ano passado, I am Setsuna é um RPG inspirado em clássicos como Chrono Trigger. Acompanhe a jornada de Setsuna enquanto ela se prepara para realizar o sacrifício definitivo para salvar o povo de sua terra.

Just Dance 2017

Difícil explicar um game com um nome tão óbvio, não é? Aqueles que perderam o jogo quando saiu ano passado têm uma nova chance no novo console da Nintendo!

Super Bomberman R

Mais novo game da série e primeiro a ser desenvolvido pela sua nova “dona” Konami (quanto tempo até virar uma máquina pachinko??). A franquia faz 33 anos em 2017 e continua com sua a tradicional jogabilidade frenética em multiplayer (e single), tão amada pelos seus fãs.

1-2 Switch

Seguindo a veia dos Mario Party para Wii e WarioWare, 1-2 Switch é um game focado nos novos controles do console onde os jogadores participam de diversos minigames com um foco cômico.

Trilogia 2D Boy

World of Goo

Um dos melhores jogos de puzzle indie da última década agora pra Switch! Construa estruturas com vários tipos “melecas” para atingir seus objetivos em cada fase! Sem contar uma história surpreendentemente cativante!

Little Inferno

Little Inferno é… Diferente… Assim como World of Goo, sua jogabilidade é composta de puzzles, onde o jogador deve adivinhar as combinações a serem queimadas (sim, queimadas) afim de avançar no jogo.E a história faz um paralelo interessante com nossas vidas modernas.

Human Resource Machine

Games sobre programação é um gêneno super específico, então como fazer as pessoas se interessarem? Uma boa dose de senso de humor e gráficos charmosos com certeza ajudam! Se você nunca programou antes, não se preocupe! É apenas uma mecânica para resolver puzzles como qualquer outra! Se você já programa… Não se preocupe, pois existem desafios extras pra você!
 

Snipperclips

Snipperclips é um jogo de puzzle cooperativo para até 4 jogadores. Os jogadores controlam os personagens Snip e Clip, que possuem formas que podem ser rotacionadas. Quando dois personagens se sobrepõem, um jogador pode cortar a parte sobreposta do outro, alterando a forma do corpo do personagem. Usando essa mecânica, players precisam chegar em soluções criativas para solucionar os diversos puzzles, cada um com objetivos únicos. O game conta com campanha para 2 jogadores e modo Party e Blitz (competitivo) para até 4 jogadores.

The Legend of Zelda: Breath of the Wild

É claro que não podíamos esquecer do mais esperado! Em toda geração de console da Nintendo, sempre se espera o próximo The Legend of Zelda, e obviamente que não seria diferente com o Switch!

Breath of the Wild é diferente da maioria dos jogos da série, uma vez que conta com um mundo aberto 12x maior que o mundo de Twilight Princess (Game Cube e Wii) e com menos ênfase em entradas e saídas específicas de certas áreas. Similarmente ao primeiro The Legend of Zelda, o jogador é colocado no mundo do game com quase nenhuma instrução, e a partir daí pode explorar livremente no seu próprio ritmo.

Agora Link (Zelda é a princesa!) pode pular e escalar quase qualquer superfície, e encontrar diversas armas, escudos e roupas (que servem para que link não morra de frio em certas áreas) espalhadas pelo mundo. Comida pode ser ingerida diretamente ou preparada para ter outros benefícios. Encontrar várias armas e escudos vem a calhar, uma vez que as mesmas quebram com uso, apesar disso, oferecem mais de uma utilidade, por exemplo: galhos de árvores podem ser usados como tochas e escudos podem ser usados como pranchas de snowboard improvisadas. O game conta com missões principais e secundárias. Até um final alternativo pode ser obtido se certas condições forem atingidas!

Este Zelda parece ser o primeiro entre os principais (não contando spin-offs) que vai ser diferente dos outros – o que aconteceu no máximo esteticamente em Wind Waker. Vamos ver o que os fãs acham dessa nova faceta da série! Ah sim! Agora temos vozes também!

07/03

Ghost Recon: Wildlands

O mais recente título na clássica franquia de Tom Clancy, Ghost Recon: Wildlands difere de seus antecessores oferecendo um gigantesco mundo aberto para até 4 jogadores realizarem diversas missões com o objetivo final de derrubar um cartel de drogas. Os jogadores controlam membros da equipe dos Ghosts, uma equipe de elite fictícia do exército dos EUA. Apesar de continuar com uma perspectiva em terceira pessoa do anterior Future Soldier, o game não contará com equipamentos e período futurista, optando em vez disso, um período atual, similar aos originais. Apesar de optar por equipamentos mais tradicionais, contará também com drones que podem marcar para os jogadores inimigos e objetivos (além de outras coisas quando feito certos upgrades). O mundo aberto conta com montanhas, florestas e desertos, e contará com ciclos de dia e noite além de variações climáticas.

Completar missões durante o dia permite que os jogadores facilmente localizem os inimigos (e vice-versa), enquanto que à noite oferece uma vantagem tática pelo oposto (óculos de visão noturna…). Vários veículos como motocicletas, helicópteros e até buggies poderão ser utilizados no jogo. Diferentemente de seus antecessores (mas não novidade no gênero mundo aberto) o game contará com várias missões opcionais. Para completar qualquer missão, o jogo oferece opções de equipamento para diversos estilos de jogabilidade: seja Stealth (a base da série), ou algo mais “a la Rambo”. E seguindo a tradição da Ubisoft em seus últimos games, espalhados pelo mundo do jogo estão bases inimigas que podem ser liberadas.

Fora de missões, os jogadores podem interagir e criar laços amigáveis ou hostis com vários NPCs como cidadãos, oficiais ou os rebeldes. Essas interações exigem estratégia, já que afetam o mundo do game e como os jogadores podem atingir seus objetivos em missões futuras. Armas e personagens podem ser customizados e melhorados, e de acordo com o diretor criativo do game, a inteligência artificial do jogo terá suas próprias motivações e agendas, fornecendo encontros diferentes toda vez que há interação entre jogador e NPCs.

O game irá contar com campanha totalmente jogável cooperativamente ou solo, assim como simples exploração do mundo. Caso prefira jogar o game sozinho, o computador assume controle dos outros 3 Ghosts que recebem ordens do jogador.

Disponível para: PC, PS4 e Xbox One

21/03

Mass Effect: Andromeda

Continuação da tão aclamada (e controversa! Mass Effect 3…) série Mass Effect, o game se inicia entre Mass Effect 2 e 3, mas para evitar problemas com os possíveis finais do 3, coloca o personagem principal juntamente com outros 20.000 civis congelados criogenicamente, com o personagem acordando 600 anos depois disso. Conveniente não? O objetivo dessa “odisséia” é encontrar um novo lar para a espécie humana na galáxia Andromeda.

O jogador pode escolher jogar com um dos gêmeos Scott ou Sara Ryder (cujos nomes e aparências podem ser modificadas pelo jogador, assim como nos outros games da franquia), que são recrutas inexperientes – e que permanecem na história mesmo se não escolhidos. O game conta novamente com diversos membros da equipe, de várias raças e especializações.

O game terá uma estrutura similar aos outros da série, possibilitando exploração em várias áreas, mas seguindo uma sequência mais definida de eventos e não contando com uma estrutura de mundo aberto (ou galáxia nesse caso). O combate do game também é mais frenético, removendo a possibilidade de parar o tempo para dar ordens aos companheiros de equipe ou usar poderes especiais, tudo isso ocorrendo em tempo real. Mesmo assim o game oferece jogabilidades tanto ofensivas quanto defensivas. O game também conta com o retorno do tanque (agora chamado Nomad) para exploração de planetas. Além disso, a “classe” do jogador será definida ao longo do game, e não escolhida no início do jogo ao criar o personagem.

Disponível para: PC, PS4 e Xbox One

21/30

Troll and I

Agora com jogos de estúdios menores, temos Troll and I, um jogo indie que se passa em uma Escandinávia pós Segunda Guerra. O game combina a dura realidade da época com folclore. Assumindo o controle de Otto, um rapaz, e Troll, uma criatura sobrenatural feroz com o qual Otto forma uma rara ligação. Guie-os enquanto tentam sobreviver em um ambiente selvagem, sendo inexperientes e com caçadores com sede de sangue os perseguindo.

Com uma recompensa em suas cabeças e ninguém para confiar além de um ao outro, eles precisam superar obstáculos aparentemente impossíveis em cada passo que dão. Eles precisam trabalhar juntos, já que essa amizade improvável é a única coisa que têm para ajudá-los a sobreviver.

Disponível para: PC, PS4 e Xbox One

22/03

Holobunnies: Pause Café

Outro pequeno jogo indie! Três joguinhos em 1! Lute contra seus amigos em arenas, ou juntos contra chefes, e navegue através do modo aventura!

Disponível para: PC

23/03

Rock Band VR

Quer se sentir ainda mais como um astro do rock em um game? Que tal agora jogar Rock Band em VR? O game necessita de um headset e controle Oculus Rift, que precisa ser conectado à guitarra do jogo. O game contará com o Modo Clássico, onde jogadores tentam acertar todas as notas de cada música, e o Modo Performance, que oferece “liberdade criativa de um show ao vivo onde duas performances diferentes nunca soam iguais”, disse um dos desenvolvedores. “Neste modo, jogadores experimentam com acordes diferentes, notas e velocidades de dedilhadas para desenvolver seus próprios sons ‘assinatura’ e tornar cada performance única”.

Disponível para: Oculus

 

Marina Mendes
marinamendesmota@gmail.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *